O destaque internacional dos candidatos à presidência do Equador

A última pesquisa mostra Lenín Moreno com 45.7% dos votos e Guillermo Lasso com 41.5% (imagem: Agencia de Noticias ANDES )

O destaque internacional dos candidatos à presidência do Equador

O Equador está passando por uma disputa eleitoral na qual estão em jogo dois modelos de governo distintos, que pretendem gerar emprego e proteger o país dos efeitos da crise econômica internacional. De um lado, Lenín Moreno (Aliança País), que defende o modelo de bem-estar social liderado pelo estado equatoriano, instalado durante a última década pelo governo de Rafael Correa. De outro, Guillermo Lasso (CREO), que propõe um modelo corporativo-empresarial. Ambos os candidatos expressaram seu interesse em manter relações com a China, mas em perspectivas diferentes.

Nenhum deles, seja qual for eleito no próximo dia 2 de abril, pode dar-se ao luxo de ignorar dois fatores internacionais — identificados a partir de concepções tanto de esquerda como de direita — com forte influência sobre os processos de desenvolvimento ao redor do mundo: a ascensão da China e a crise econômica. Está claro que os candidatos têm plena consciência do papel primordial exercido pela China como ator de peso sobre o sistema internacional, como consta em suas referências específicas ao gigante asiático em seus planos de governo.

A China protagonizou o processo de globalização ao converter-se em fábrica do mundo. O que foi interpretado, na América Latina, como uma oportunidade de adquirir bens de consumo a preços baixos, foi também a ocasião para ingressar no maior mercado do mundo, além do acesso a uma importante fonte de investimento e financiamento para seu desenvolvimento. No caso do Equador, a China é seu principal sócio financeiro e, segundo fontes oficiais, a dívida com a China representa aproximadamente 30% do total da dívida do país.

O segundo fator é a crise econômica. A partir da crise financeira de 2008, o comércio global experimentou uma tendência à queda, acompanhada do fim do ciclo de commodities. Este último se deve, em parte, à diminuição da demanda chinesa por produtos primários, o que impactou fortemente os países da região exportadores destes produtos. Em relação aos financiamentos para o desenvolvimento, houve uma ralentização do crescimento econômico dos países industrializados, resultando na redução nos fluxos de Investimento Estrangeiro Direto (IED) em nível global.

A crise na América Latina impactou sensivelmente a produção e o comércio, em diferentes níveis, causando forte desgaste no tecido social dos países da região. No caso do Equador, é possível assinalar pelo menos cinco fatores adicionais que agravaram a situação: a tendência à baixa dos preços do petróleo, um pagamento de aproximadamente US$ 1 bilhão à OXY e Chevron em 2016, o decréscimo da arrecadação tributária, o terremoto de abril de 2016, cuja reconstrução exigiu aproximadamente US$ 2 bilhões e a desvalorização das moedas dos países vizinhos. Nesse sentido, cabe ao Equador manter uma política exterior que priorize aqueles intercâmbios que permitam consolidar a mudança de sua matriz produtiva e de sua matriz energética.

O peso da China no sistema internacional e na América Latina e Caribe

Até o momento, as relações com a China se mostraram mutuamente benéficas em alguns aspectos, mas poderiam ser ainda melhores. A China tem grandes desafios, que a obrigam a dividir sua atenção com todos os países da região: segundo a CEPAL, o país asiático tem 1,3 bilhões de habitantes, e somente 7% da terra cultivável no mundo. Por estas razões, a América Latina é um importante mercado, não só como fonte de recursos extrativistas, mas também com potencial para ampliar suas exportações de produtos agrícolas. Por outro lado, a China se tornou um sócio estratégico para o fomento de projetos de desenvolvimento em países como Venezuela, Equador e Argentina. Estes países passaram a receber investimentos chineses para a construção de infraestrutura para exploração de recursos naturais (refinarias, hidrelétricas, etc.), transporte, saúde e educação, entre outras. Entretanto, nem tudo são rosas. Existem problemas ambientais e econômicos — por exemplo, há uma demanda para análise da dívida externa que países, como Equador, mantém com a China — que merecem atenção mais cuidadosa.

Contrastes das propostas dos candidatos

Moreno compartilha a visão de Xi Jinping quanto à necessidade de consolidar o sistema internacional multipolar. O candidato da Aliança País afirma, em seu plano de governo, que a América Latina deve unir-se como bloco e, assim, aprofundar as relações com a China e a Rússia, países que comungam sua tese sobre a democratização do sistema internacional. No campo do multilateralismo, Moreno propõe impulsionar a reforma do sistema financeiro internacional, particularmente sua proposta sobre paraísos fiscais, no ambiente do G77 + China. Lasso não tem uma agenda concreta para tratar com este organismo internacional.

No terreno comercial, Lasso fala em estabelecer acordos de livre comércio com os Estados Unidos, China, Índia e Japão e com a Aliança do Pacífico. Moreno propõe fortalecer as conexões comerciais inter-regionais, e as relações de comércio Sul-Sul.

Quanto às finanças e aos investimentos, Moreno sugere ampliar as associações existentes com a China nos setores de turismo, agroindústria, tecnologia e financiamento. Lasso, por sua vez, não declarou sua intenção de fortalecer a vinculação com a China além do plano comercial. Porém, o candidato do Movimento CREO pretende “transparentar” os créditos acordados pelo governo atual, a maior parte deles provenientes da China. Finalmente, ambos os candidatos se comprometem a reestruturar a dívida externa. Segundo Lenín Moreno, a China deu abertura para isso.

O líder chinês Xi Jinping foi explícito quanto ao fato de não ter reparos ideológicos que limitem o potencial da China para relacionar-se com outros países. Para finalizar, as relações sino-equatorianas terão um papel mais efetivo no hipotético governo de Lenín Moreno do que no de Guillermo Lasso, devido à orientação ideológica do candidato da Aliança País. Mas, em ambos os casos, seriam mantidos laços nas áreas de comércio, finanças e investimentos. Tanto Lasso como Moreno mencionam a importância de diversificar seus sócios comerciais e financeiros. Contudo, para o candidato do partido CREO, aproximar-se dos Estados Unidos parece ser uma das principais metas de seu governo.

A China demonstrou claramente o grande interesse em fortalecer suas relações com o país, como bem demonstrou a visita do presidente Xi Jinping ao Equador em 2016. A relação com a China não deixa de ter assimetrias que pendem a favor do país asiático, motivo pelo qual é importante que o novo líder equatoriano promova a construção de um bloco que lhe permita negociar em melhores condições com seu parceiro. O plano de governo de Moreno aponta nessa direção. A proposta para o desenvolvimento de Guillermo Lasso gira em torno da flexibilização de todo tipo de mecanismos que protejam a indústria equatoriana. Também não tece considerações sobre como fortalecer a região para que atue como bloco frente ao resto do mundo. A China é um aliado importante, porém, para aproveitar o potencial dessa relação, é preciso um líder com perspectiva estratégica de longo prazo, não alguém ansioso para vivenciar essa relação em sua máxima expressão.

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.