Colômbia tem certificação sustentável para quase 30% de seu óleo de palma

Embora tenha avanços sustentáveis em sua produção, país ainda enfrenta desafios para evitar impactos de demanda crescente

Compartilhar

Oil palm tree crops in plantation field

Plantas de óleo na província de Meta, Colômbia. Atualmente, o país sul-americano é o quarto maior produtor e exportador mundial de óleo de palma, enquanto quase um terço de sua produção está de acordo com certificados internacionais de sustentabilidade (Imagem: Florian Kopp / Alamy)

As palmas de óleo foram plantadas na Colômbia a partir dos anos de 1930, e desde que as operações comerciais começaram a decolar em meados do século, o país se tornou o quarto maior produtor e exportador de óleo de palma do mundo — e o maior das Américas.

Mas, assim como em outras nações líderes na produção do óleo, a exemplo da Indonésia e da Malásia, a expansão da produção vem frequentemente associada a controvérsias e custos socioambientais. Na Colômbia, os impactos podem agravar a situação da infraestrutura que já é precária, além de aumentar o desmatamento e a grilagem.

28%

da produção de óleo de palma da Colômbia está em conformidade com alguma certificação internacional

Apesar dessa conjuntura, a Colômbia tem sido bem sucedida, já que parte de sua produção de óleo de palma é sustentável. Isso a lançou a mercados exigentes como o da União Europeia  — destino de mais de 61% das exportações de óleo de palma da Colômbia em 2020. Tamanho sucesso impõe desafios à indústria e às autoridades locais, que devem gerenciar cuidadosamente a produção.

Sucesso do óleo de palma na Colômbia

A Colômbia viveu mais de 50 anos em meio a conflitos sociais violentos que envolviam o Estado, grupos paramilitares de direita, criminosos e guerrilhas, como as Farc e o Exército de Libertação Nacional. Apesar das dificuldades desses embates nas zonas rurais, o óleo de palma se expandiu e ofereceu uma resposta à questão global de como se garantir a sustentabilidade do óleo.

Perto de 28% da produção do país está hoje em conformidade com alguma certificação internacional, como a da Mesa Redonda sobre Óleo de Palma Sustentável ou Rainforest Alliance.

 

 

Uma das particularidades favoráveis à Colômbia é que a plantação da palma costuma ser feita em áreas já degradadas, o que evita a derrubada de vegetação nativa — uma das principais preocupações relacionadas a essa produção.

"A palma substituiu a pastagem de gado, portanto seu impacto sobre os ecossistemas foi mínimo", disse Natalia Ocampo-Peñuela, ecologista e pesquisadora da ETH Zurich, universidade pública da Suíça. “O que existia antes não era benéfico para a biodiversidade”.

A disponibilidade de terras degradadas foi positivo à expansão da indústria, que também se beneficiou dos esforços de monitoramento da cadeia produtiva. Um desses sistemas de controle é o mapa de palmas produzido pelo Instituto de Hidrologia, Meteorologia e Estudos Ambientais (Ideam), agência governamental da Colômbia. Com o apoio do Instituto Geográfico Agustín Codazzi, responsável pela cartografia do país, o Ideam mapeia o desmatamento e produz um inventário de plantações legais e ilegais,

Outra instituição que monitora o cultivo da palma na Colômbia é a Fedepalma, uma federação influente criada em 1962, que reúne a maioria dos plantadores do país. A Fedepalma oferece apoio técnico, tecnológico e financeiro, e os ajuda a obter certificações internacionais. A federação assinou em 2017 — e já renovou — um acordo de zero desmatamento com vários ministérios do governo.

Embora a Fedepalma tenha sido criticada por ignorar pequenos agricultores, se envolver em conflitos legais relacionados à terra e por sua enorme capacidade de lobby, ela também facilita a aplicação e o monitoramento de políticas públicas para a conservação.

A palma substituiu a pastagem de gado, portanto seu impacto sobre os ecossistemas foi mínimo

"O óleo de palma, como qualquer outra cultura bem desenvolvida, traz benefícios ao meio ambiente e às comunidades", diz Andrés García Azuero, diretor de planejamento setorial e desenvolvimento sustentável da Fedepalma. "A plantação de palmas na Colômbia respeita a fauna e a flora, protege os cursos d’água, e é isso que nos diferencia de outros países que produzem óleo de palma".

Como exemplo de sustentabilidade, Azuero aponta para as planícies orientais do país, onde veados e pumas são vistos em "agroecossistemas" de palma, indicando que a biodiversidade local é maior que em outras monoculturas.

No entanto, Ocampo-Peñuela diz que a mera presença de predadores como o puma não garante que a espécie esteja utilizando aquele habitat. "Isso não significa que uma onça-pintada ou um puma possa sobreviver em uma plantação de palma".

Em um de seus estudos, Ocampo-Peñuela descobriu que, no sopé da bacia do Orinoco, no leste do país, as plantações de palma trazem benefícios à natureza, porque os produtores mantêm as florestas ao redor dos rios intactas.

"Isto é obrigatório e tem permitido a sobrevivência das espécies", acrescenta. Essas medidas criam uma paisagem muito diferente da que é vista na Ásia, onde outros ecossistemas são menos frequentemente integrados, e as plantações parecem sem fim.

Ameaças do óleo de palma permanecem

É claro que a Colômbia não escapou inteiramente dos impactos ambientais comumente associados à expansão do óleo de palma. Dentre eles, há o deslocamento de espécies arbóreas nativas e a crescente ameaça de pragas.

Em 1989, Rodrigo Bernal — talvez o cientista e botânico que mais conhece os dendezeiros na Colômbia — manifestou preocupação com os danos da crescente indústria de óleo de palma do país. Como exemplo, ele cita o que aconteceu com a palmeira da espécie Phytelephas tumacana. Em seu livro Las palmas del andén del Pacífico, ele diz que ela “já foi abundante e formou a base da economia local, [mas] foi dizimada para estabelecer plantações de outro tipo de palmeira, e está à beira da extinção".

Três décadas depois, Bernal diz que há pelo menos três impactos ambientais que requerem estudos sérios e — se necessário — a mitigação ou compensação por parte dos plantadores.

Saiba mais: Será que a Colômbia encontrou a solução para o óleo de palma sustentável?

O primeiro é a hibridização entre a palma africana (dendezeiro) e a americana (Elaeis oleifera), que, “em algumas áreas, como o vale Magdalena, crescia naturalmente nas plantações e agora cresce isoladamente em áreas vizinhas”.

O segundo impacto é o potencial da palma africana como espécie invasora. "Tenho observado a palma africana crescendo nas florestas do vale Magdalena médio e nos arredores de Leticia e Inírida", diz Bernal. "Em Leticia [na fronteira amazônica com o Peru e o Brasil], por exemplo, a espécie invadiu florestas onde, devido a seu grande tamanho, provavelmente desloca espécies nativas".

E por último, há a ameaça do gorgulho da palma, inseto originário de regiões tropicais da Ásia que pode ter chegado à Colômbia “possivelmente como resultado do aumento do cultivo da palma africana", diz o cientista. O inseto já ameaçou safras do chontaduro, conhecido como pupunha, em Buenaventura, na costa do Pacífico, atacando grande parte da plantação.

Outro desafio é o uso d’água. A palma puxa muita água e, por isso, é cultivada em áreas baixas e úmidas. Em María la Baja, por exemplo, o abastecimento tem se tornado estressante a cada estação seca.

"Isto pode entrar em conflito com outras culturas e também com o abastecimento de água para as pessoas que vivem ao redor dessas plantações", adverte Ocampo-Peñuela. Ela acrescenta que os agrotóxicos aplicados também possam afetar a qualidade da água e da irrigação de outras culturas.

O futuro do óleo de palma

Qualquer novo cultivo de palma na Colômbia deve oferecer benefícios ambientais, e Ocampo-Peñuela trabalha justamente com isso. Atualmente a pesquisadora estuda as características das florestas de alta densidade de palmas. Há uma série de perguntas importantes: "Se você planejar uma plantação e quiser restaurar um ecossistema, qual seria essa estratégia e como você deve plantar essas árvores?”; “o quanto que uma ave ou um mamífero consegue se deslocar dentro da plantação para alcançar outro habitat ou floresta"?

De acordo com a União Internacional para a Conservação da Natureza, óleos vegetais como de soja, canola ou girassol precisam de até nove vezes mais área para sua produção. Isso torna a agroindústria da palma colombiana competitiva, já que existem enormes áreas degradadas, de até 44 milhões de hectares, disponíveis para sua expansão.

Mas isso não vem sem grandes responsabilidades. Mesmo que a conversão de terra não seja necessária para a expansão do óleo de palma na Colômbia, o país e seus produtores devem ficar atentos a outros desafios ecológicos. Enquanto quase 30% de sua produção atende à certificação internacional sustentável, os esforços para aumentar essa porcentagem devem continuar, em meio a uma demanda global vertiginosa e à crescente ambição dos negócios de óleo de palma.