OPINIÃO: Uma nova oportunidade para as relações entre Uruguai e China

O presidente eleito Luis Lacalle Pou adotará uma abordagem pragmática da política externa, um pilar central do desenvolvimento do Uruguai

Compartilhar

Uruguay China

Apoiadores do presidente eleito Luis Lacalle Pou comemoram em Montevidéu, Uruguai. As relações do país sul-americano com a China poderiam ser menos políticas e mais pragmáticas sob Lacalle Pou (imagem Jimmy Baikovicius

A política exterior do Uruguai tem ganhado uma maior importância nos debates nacionais. Essa situação se explica não apenas pelas polêmicas geradas a partir de certos posicionamentos do atual governo de Tabaré Vázquez a respeito das crises regionais, mas também porque todos os atores do país já compreenderam a estreita relação existente entre as relações exteriores e o desenvolvimento econômico.

Por outro lado, num mundo tão conturbado como o atual, onde se vê uma perda geral de certos valores universais e um enfraquecimento das instituições, a política de relações externas adquire maior importância para os governos nacionais. Com relações internacionais cada vez mais imprevisíveis e mutáveis, os países deverão contar com políticas flexíveis e com perspectivas muito pragmáticas.

Quanto à inserção externa do Uruguai, devido às características produtivas do país e à dimensão de seu mercado interno, trata-se de um pilar central da política exterior uruguaia. É por isso que nos últimos anos o foco esteve no Mercosul e na possibilidade de o bloco avançar na agenda externa por meio de acordos comerciais. Desde que Mauricio Macri assumiu a presidência da Argentina, o Mercosul deu impulso à sua agenda externa, fechando acordos com a Colômbia, a União Europeia e com os quatro países europeus da Associação Europeia de Livre Comércio (Noruega, Suíça, Islândia e Liechenstein). Além disso, o bloco deu início a negociações com o Canadá, Coreia do Sul e Singapura.

Quanto à China, embora o país tenha se tornado o mais importante sócio comercial do Mercosul nos últimos anos, a possibilidade de que o bloco inicie negociações conjuntas até o momento não está na mesa.

Em 2016, no marco de sua visita oficial à China, o presidente uruguaio anunciou que o país negociaria em dois anos um tratado de livre comércio com a potência asiática, o que infelizmente nunca se concretizou devido ao bloqueio imposto pela Argentina e pelo Brasil. Mais recentemente, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro anunciou que está avançando em negociações com a China, embora ainda não se saiba os termos dessas conversas.

Com a mudança de governo no Uruguai, uma nova oportunidade se abre. Luis Lacalle Pou — que ganhou as eleições presidenciais semana passada — quer um Mercosul menos político, mais moderno, flexível e aberto ao mundo, visão ratificada com a escolha de Ernesto Talvi como chanceler. Este último, além de liderar o principal partido de coalizão do governo, é um técnico com excelente formação que conta com a capacidade e a preparação necessárias para implementar uma política externa muito estratégica, cuidadosa e ao mesmo tempo firme em momentos de instabilidade regional.

O que se espera é que o Mercosul continue sem alcançar um consenso a respeito da relação que desenvolverá com a China nos próximos anos. Por um lado, o Paraguai mantém relações com Taiwan, enquanto o governo do novo presidente argentino Alberto Fernández ainda não vê a China como prioridade. Para o Brasil, embora Bolsonaro tenha iniciado uma aproximação com o gigante asiático, ainda não se sabe se a indústria brasileira está disposta a sofrer tal impacto.

Nesse contexto, para o Uruguai é central a recuperação da soberania comercial para negociar um tratado de livre comércio bilateral com a China, o que claramente é mais factível com o governo de Lacalle Pou e que traria enormes benefícios para o país.