Conheça o axolote: ameaçado no México e estimação na China

A salamandra de cara sorridente cativa o público e deixa cientistas perplexos. Sua popularidade como animal de estimação pode ajudar a salvá-la da extinção?

Compartilhar

axolote México mexicanos rio conservação animal de estimação China extinção

Venerado no México como um animal sagrado, o axolote é um dos animais de estimação aquáticos mais comuns na China. Seus donos publicam centenas de vídeos da salamandra em diversas redes sociais (Imagem: Helmut Corneli / Alamy)

A maioria dos mexicanos concorda que o Axolotl, uma espécie nativa de anfíbio, é algo como uma celebridade nacional. Deve até estrelar na conta de 50 pesos do país, a ser lançada no próximo ano. Os Axolotls — ou axolotes — já foram tão abundantes que eram um alimento básico nas dietas indígenas mexicanas.

Os mexicanos (ou astecas) que habitavam o México central há 500 anos acreditavam que os axolotes eram sagrados e vinham do deus Xolotl. Hoje os cientistas valorizam-nos por sua capacidade de regenerar seus membros e até mesmo partes do seu cérebro.

Mas apesar de sua importância histórica e científica, os axolotes estão agora criticamente ameaçados. Poucos permanecem nos canais de Xochimilco, no extremo sul da Cidade do México, habitat endêmico da salamandra. O paradoxo é que, embora as populações selvagens continuem a diminuir, ela também está se tornando o anfíbio mais amplamente distribuído em laboratórios e lojas de animais ao redor do mundo, particularmente na China, onde fãs postam milhares de vídeos da salamandra online. Entretanto, os esforços de conservação no México avançam em condições adversas

Diminuição da população de axolote

Algumas das causas por trás do número rapidamente decrescente do axolote são o crescimento urbano acelerado no bairro de Xochimilco e seu planejamento deficiente, que permite que as águas residuais e os fertilizantes entrem nos canais que asfixiam a vida selvagem. Além disso, nos anos 1970, as Nações Unidas lançaram uma campanha para estocar tilápias e carpas nos canais de Xochimilco para alimentar moradores locais. Os peixes, no entanto, não tinham predadores naturais na área, permitindo-lhes tomar rapidamente o controle e garantir um banquete dos jovens axolotes.

0,6%

a população axolote é menos de 0,6% do que há pouco mais de duas décadas

De acordo com o censo mais recente, a população axolote é menos de 0,6% do que há pouco mais de duas décadas. O primeiro censo, realizado em 1998 por cientistas da Universidade Autônoma Metropolitana da Cidade do México, estimou que a área possuía seis mil axolotes por quilômetro quadrado. Em 2014, essa área havia diminuído para 34 por quilômetro quadrado.

Embora os biólogos gostariam de atualizar seu estudo — para ver se os recentes esforços de conservação tiveram efeito sobre os números dos anfíbios —, a pandemia da Covid-19 e a falta de financiamento do governo impediram o seguimento do projeto. "É triste ver a [pouca] quantidade de dinheiro que vai para esse tipo de projeto", disse Horacio Mena González, biólogo da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM).

Esforços de conservação do anfíbio

Mena González e uma equipe de cientistas da UNAM implementaram um programa experimental, chamado Projeto Refúgio Chinampa, para criar portos seguros entre os canais de Xochimilco para que o axolote volte a crescer e prosperar.

Trabalhando com moradores locais — que há muito cultivam nas chinampas da região, uma espécie de jardim flutuante introduzida no México — Mena González espera reduzir o uso de agrotóxicos em favor da agricultura sustentável e orgânica para liberar nutrientes úteis nas águas de Xochimilco.

A introdução de uma série de filtros nos canais para afastar contaminantes e predadores das principais vias navegáveis também poderia proporcionar aos axolotes o espaço para recuperar sua população.

Até agora, foram instalados 30 portos seguros, e a equipa gostaria de aumentar este número para 60.

Entretanto, outras organizações procuram sensibilizar e proporcionar um lar para axolotes que estão doentes ou foram abandonados por seus proprietários. No México, os vendedores de axolote precisam de uma permissão especial da Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Naturais para operar, mas as vendas ilegais, especialmente nos mercados da Cidade do México, ainda são comuns.

As pessoas nos ligam dizendo que encontraram um cara vendendo um balde cheio de axolotes em um mercado

O país permite que eles sejam mantidos como animais de estimação se forem registrados e comprados de um vendedor aprovado, mas muitos dos futuros donos de animais de estimação se voltam para as vendas no mercado ilegal, que são mais fáceis e menos dispendiosos. Nos mercados da capital, os axolotes podem ser vendidos por entre 200 e 1.000 pesos mexicanos (R$ 53-266).

axolote México mexicanos rio conservação animal de estimação China extinção
Muitos axolotes são vendidos de maneira ilegal em mercados da Cidade do México (Imagem: Kylie Madry)

"Vamos fazer com que as pessoas nos liguem dizendo que encontraram um cara vendendo um balde cheio de centenas de axolotes em um mercado", disse Rebeca Sánchez Graillet, voluntária no Axolotitlán. "Eles vão pensar que estão nos ajudando, comprando alguns para 'resgatar', mas também não sabem como cuidar deles. Temos axolotes que chegam com infecções bacterianas ou queimaduras de cloro por estarem em água da torneira não filtrada".

Você sabia...?


Os axolotes eram um alimento básico nas dietas indígenas mexicanas

Pamela Valencia, especialista em relações públicas, ficou emocionada ao abrir um museu de axolote quando lhe deram seis espécimes de um homem que estava "dando-as como doces".

"Eu pedi a vizinhos para virem aqui, enquanto eu ainda estava de pijama", disse ela. Ela então começou a dar passeios em Xochimilco com os axolotes a reboque. Isso transformou-se em Axolotitlán, associação que atualmente angaria fundos para completar o seu aquário e construir um santuário, para salvar mais axolotes que são trazidos para o museu.

Valência chegou ao governo da Cidade do México anos atrás, na esperança de conseguir a adesão deles ao projeto. Em vez disso, a prefeita da cidade, Claudia Sheinbaum, anunciou a construção de um museu concorrente no ano passado no Zoológico de Chapultepec.

"Mesmo quando a necessidade claramente existe, o governo não faz nada até que o povo cobre", disse Sánchez Graillet. "As organizações acabam por fazer o trabalho do governo até ele decidir se quer se envolver".

Cientistas tentam decifrar o genoma axolote

Sánchez Graillet explica que os axolotes podem regenerar os membros no prazo de 30 dias após a sua perda. Uma de suas axolotes mais jovens está inclusive no processo de regeneração de um membro. "As axolotes tendem a ser um pouco canibais", acrescenta ela.

Axolotl axolote México China mexicanos animal de estimação extinção dieta mexicana rio
Os axolotes são capazes de regenerar seus membros e até mesmo partes do seu cérebro (Imagem: Kylie Madry)

"Eles até lutam um com o outro. Então, eles vão tirar um braço ou uma perna, e dentro de um mês, ela volta a crescer".

Na esperança de poder um dia desenvolver a regeneração de tecidos em humanos, os cientistas há muito estudam o funcionamento do organismo do axolote. Os cientistas só foram capazes de sequenciar o genoma do axolote, com 32 milhões de pares de bases, em 2018. Isso é dez vezes maior do que o genoma humano, que foi mapeado em 2003. Um ano depois, foram capazes de renderizar o genoma do axolote em uma escala cromossômica.

São organismos que evoluíram durante longos períodos de tempo e fazem coisas que nós não fazemos, ou que podem ser importantes para nós

Mas vai demorar a descobrir exatamente o que garante as capacidades regenerativas do axolote. Segundo Jeremiah Smith, um dos geneticistas que trabalha para desvendar os segredos do axolote, o anfíbio criado em laboratório pode não ser o milagre médico que se imaginava. No máximo, diz ele, a ciência pode ser aplicada para regenerar pequenas quantidades de tecido em humanos — mas eles nunca serão capazes de replicar o crescimento de membros inteiros.

Depois que uma salamandra tigre albina foi introduzida na colônia de axolote de um laboratório em 1962, quase todos os axolotes cativos contêm hoje em dia quantidades notáveis de DNA de salamandra tigre. "O axolote é um bom exemplo de por que populações selvagens e diversidade [genômica] são importantes", explicou Smith.

"São organismos que evoluíram durante longos períodos de tempo e fazem coisas que nós não fazemos, ou que podem ser importantes para nós. Claro, todos os animais têm lições que nos podem ser úteis, mas talvez o axolote seja ainda mais".

Popularidade crescente na China

O axolote é um dos animais de estimação aquáticos mais comuns na China. Foi criado durante décadas desde sua primeira introdução no país, nos anos 1990. Agora, o mercado está bastante maduro.

No Taobao, uma das principais plataformas de comércio eletrônico da China, as axolotls jovens nas cores mais comuns, que incluem rosa, branco, ouro ou preto, podem custar apenas US$ 1,50. Um varejista online vende mais de dois mil axolotes em um mês.

Diao Kunpeng, especialista em proteção da vida selvagem, disse ao Diálogo Chino que, se o preço de varejo de um axolote for US$ 1,50, o preço de compra não ultrapassa nem mesmo 30 centavos de dólar. Como comparação, nos EUA, um axolote pode ser vendido por US$ 30 a US$ 75, cerca de 20 vezes o preço de venda na China.

US$ 1,50

é o quanto custa um axolote jovem no Taobao, uma das principais plataformas de comércio eletrônico da China

O baixo preço do axolote pode ser atribuído ao aumento da demanda e a um mercado em desenvolvimento na China. Diao Kunpeng apontou que quando o axolote chegou à China, o preço unitário atingiu várias centenas de yuan (200 yuan são cerca de R$ 170).

Por volta de 2005, fazendas de criação asiáticas encontraram a cura para a saprolegniose, doença comum nos axolotls, que marcou um avanço na criação e levou a um aumento significativo do número de axolotes criados. Atualmente, as grandes explorações de axolote na China estão localizadas, em sua maioria, nas províncias de Shandong e Liaoning.

Influencers e agricultores publicam centenas de vídeos de axolotes em várias plataformas de mídia social, compartilhando seu comportamento, como eles comem e como interagem com os humanos. No site de compartilhamento de vídeos Bilibili, o vídeo mais popular sobre o axolote alcançou quase 420 mil visualizações.

Mas a maioria dos proprietários tende a comentar sobre sua aparência e não menciona o fato de que o animal está em perigo de extinção ou mesmo que ele é originário do México.

A popularidade do adorável animal será suficiente para salvá-lo? "Tem sido ótimo ver as pessoas se interessando por axolotes", disse Sánchez Graillet, recomendando que os novos donos de animais de estimação leiam sobre os esforços de conservação e considerem contribuir com a causa.