Uruguai lança títulos vinculados a metas climáticas

Com o crescimento de títulos verdes na América Latina, país será o primeiro da região a contrair empréstimos a uma taxa de juros atrelada a compromissos do clima

Compartilhar

títulos verdes soberano Uruguai emissões governo Lacalle Pou energia energias renováveis América Latina clima financiamento

Construção de turbinas eólicas perto de Tarariras, no Uruguai, país cuja eletricidade vem quase inteiramente de fontes renováveis. O governo de Lacalle Pou pretende explorar novas formas de financiamento verde, tais como os títulos verdes soberanos, e assim impulsionar mais setores na transição para uma economia de carbono zero (Imagem: Picardo Photography / Alamy)

O financiamento sustentável continua a se expandir na América Latina à medida que governos e empresas aproveitam o crescente interesse dos investidores por instrumentos que protejam a biodiversidade e respondam à crise climática. Em 2020, mais de US$ 16 bilhões de títulos verdes, sociais e sustentáveis foram emitidos na região.

Embora seu propósito possa variar, esses títulos compartilham características semelhantes. Uma empresa ou governo contrai dívidas, e esses fundos são usados para quitá-las. Mas diferentemente dos fundos tradicionais, os títulos verdes devem estar atrelados a uma meta ambiental ou social específica, como o investimento em infraestrutura de transporte limpo ou de energia renovável ou o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Com o crescimento das finanças sustentáveis, surgiram novos e mais inovadores instrumentos para liquidar as dívidas, como o recentemente proposto pelo Uruguai. O governo de Luis Lacalle Pou vai lançar um título cujos recursos não terão destinação específica, mas servirão para diferentes iniciativas, a taxas de juros variáveis.

US$ 1 bilhão

É o valor máximo de emissões de títulos verdes soberanos que o Uruguai pretende lançar incialmente, segundo o ministro do Meio Ambiente do país

Essa taxa dependerá se o Uruguai cumprirá com as metas ambientais previamente estabelecidas, como as Contribuições Nacionalmente Determinadas (CNDs), vinculadas ao Acordo de Paris. Em outras palavras, se o país reduzir suas emissões como prometido, ele será recompensado com uma taxa de juros mais baixa. E, se não cumprir, será penalizado com uma taxa mais alta.

Até agora, o único país que desenvolveu tal instrumento foi Luxemburgo, que emitiu US$ 1,5 bilhão em dívida em 2020. No caso do Uruguai, o título seria, segundo o ministro do Meio Ambiente do país, Adrián Peña, de um valor entre US$ 800 milhões e US$ 1 bilhão, sem data definida para sua emissão.

Países em desenvolvimento como o Uruguai são especialmente vulneráveis às crises climáticas e da biodiversidade e precisam de apoio financeiro para cumprir seus compromissos ambientais. É aqui que entra o financiamento sustentável, como um instrumento para apoiar a transição de suas economias.

Financiamentos sustentáveis na América Latina

Os mecanismos de financiamento sustentável continuam a crescer e estão cada vez mais diversificados. Argentina e Colômbia, por exemplo, fizeram apelos recentes para a expansão das “trocas de dívida por natureza”, uma ferramenta que lhes permitiria reduzir suas dívidas e cumprir as metas ambientais. Em outros lugares, especialistas em finanças pressionam para a criação de novos instrumentos, como o título proposto pelo Uruguai.

"As ‘trocas de dívida’ eram muito populares há décadas. Mas agora o cenário mudou muito. É mais complicado em termos de quem detém a dívida e como ela é negociada", disse Jochen Krimphoff, diretor de títulos verdes na WWF. "A longo prazo, quanto mais sustentável for a gestão dos recursos naturais pelo governo, mais sua economia poderá prosperar de forma sustentável".

Um título soberano verde indica o compromisso de um país com estratégias de crescimento sustentável e baixas emissões de gases de efeito estufa, o que pode estimular o investimento do setor privado em iniciativas verdes. Também estimula uma colaboração mais efetiva entre diferentes áreas do governo, como Peña apontou.

"Percebemos que tínhamos muito conhecimento acumulado para compartilhar com o Ministério da Fazenda, que não estava a par das questões ambientais. Foi daí que surgiu a ideia do título", disse o ministro.

Em 2019, o Chile se tornou o primeiro país da América Latina a emitir um título verde soberano, que até agora levantou US$ 7,44 bilhões após sucessivas emissões. O país também emitiu títulos sociais e sustentáveis, assim como Equador, México e Guatemala, de acordo com a organização Climate Bonds Initiative.

Os setores de energia e transportes foram os que mais se beneficiaram com o financiamento, assim como o setor de uso da terra. No caso do Chile, os fundos de seus títulos verdes impulsionaram o transporte limpo, como os ônibus elétricos de Santiago e a construção de novas linhas de metrô.

"Há muitos investidores que querem investir nestes instrumentos", disse Pablo Cortinez, consultor de finanças sustentáveis. "O dever fiduciário e o perfil dos investidores estão mudando e cada vez mais se dizem verdes. As maiores economias da região, como o Brasil e a Argentina, deveriam apostar em títulos soberanos verdes".

Para Marcela Ponce, diretora de finanças climáticas para a América Latina na Corporação Financeira Internacional (IFC, em inglês), 2020 foi um ano marcante para a emissão de títulos soberanos verdes, e 2021 não ficou muito distante. "Desde a COP26, os ministérios da Fazenda da América Latina têm demonstrado grande interesse pelo mercado de títulos soberanos verdes", acrescentou.

Novo título do Uruguai

Ao contrário do Chile, o Uruguai não emitirá um título verde por si só, pois os fundos podem ser utilizados para qualquer finalidade desejada. Entretanto, ao vincular a taxa de juros do título às CNDs, o governo criará um incentivo para cumprir suas metas ambientais.

Em 2017, o Uruguai apresentou suas CNDs, as quais propõem a redução de três gases específicos: dióxido de carbono, óxido nitroso e metano, com cortes de 24%, 48% e 57%, respectivamente, até 2030, de maneira incondicional. Espera-se que uma nova CND seja apresentada em 2022.

Cerca de 70% das emissões de gases de efeito estufa do Uruguai vêm do setor agrícola, dois terços dos quais são originários da produção de carne bovina, de acordo com o mais recente inventário de emissões. O governo espera que uma melhor gestão das pastagens reduza significativamente essas emissões.

"O Uruguai está assumindo um alto custo político com o novo título soberano. Mas se tiver sucesso, será um marco para a região", disse Sebastián Ramos, sócio do departamento bancário e financeiro da Ferrere, escritório de advocacia em Montevidéu. "A curva de aprendizado é alta, pois é o primeiro país na região com um título soberano deste tipo".

Esses títulos são a próxima fronteira em financiamento soberano

Juán Giraldez e Stephanie Fontana, do escritório multinacional de advocacia Cleary Gottlieb, descrevem o instrumento que o Uruguai quer impulsionar como "a próxima fronteira em financiamento soberano". No entanto, eles também destacam riscos e desafios da novidade e por funcionar, até agora, apenas em Luxemburgo.

Para que o título tenha sucesso, os governos precisam justificar a seus investidores por que a taxa de juros está vinculada às CNDs, e não a outros indicadores, no caso do Uruguai. Além disso, a meta deve ser cumprida durante a vida útil do título, e deve-se estabelecer uma terceira parte encarregada do monitoramento e cumprimento efetivo da meta.

"Com o título que estamos criando, o Uruguai terá um mandato fiduciário para cuidar do meio ambiente e reduzir as emissões de dióxido de carbono", disse a ministra da Economia do Uruguai, Azucena Arbeleche, em uma entrevista. "Os incentivos do investidor e do emissor serão alinhados para o cumprimento de um determinado indicador".

Mais detalhes sobre o título verde soberano do Uruguai, incluindo uma data para a primeira emissão, provavelmente serão confirmados no início de 2022. Se bem-sucedido, poderá ser um catalisador para seu crescimento e aceitação na América Latina e impulsionar transições sustentáveis em toda a região.