México bloqueia expansão privada de energia renovável

Instituições estatais de energia do México aproveitaram a pandemia Covid-19 para aprovar políticas públicas polêmicas

Compartilhar

Mexico renewable energy Oaxaca wind

Turbinas eólicas perto da cidade de La Venta, em Oaxaca, no México (imagem: Alamy)

No início deste ano, o Centro Nacional de Controle de Energia do México (Cenace) emitiu uma portaria polêmica limitando a quantidade de energia renovável que poderia ser gerada no país.

O pedido suspendeu as licenças para usinas de energia renovável que começariam os testes operacionais após 3 de maio. Duas semanas depois, o Ministério da Energia (Sener) emitiu outra portaria que bloqueia o investimento em energia limpa. As medidas são as mais recentes de uma série de políticas que priorizam a empresa nacional de energia do México, a CFE.

Agora, investidores, empresas de energia e grupos de proteção ao consumidor estão recuando.

O Greenpeace México, junto com o Centro Mexicano de Direito Ambiental (Cemda), conseguiu uma suspensão temporária da decisão do Cenace em meados de maio. No início de julho, o Supremo Tribunal suspendeu a portaria do Sener de 15 de maio após duas reclamações: uma em nome da Comissão Federal de Concorrência Econômica (Cofece); a outra representa o estado de Tamaulipas.

E, em agosto, um juiz federal ordenou a suspensão definitiva das duas decisões, que agora serão apreciadas em uma instância superior, um processo que pode durar meses.

Como consequência dessas suspensões, as diretivas da Cenace e do Sener não permanecem em vigor. De acordo com sua diretriz, o Cenace não pode limitar as quantidades de geração de energia limpa, nem bloquear os testes operacionais de usinas de energia limpa, nem o Senear, bloquear novos investimentos no setor.

A política surgiu quando o uso de energia no país diminuiu 10% como resultado das medidas de prevenção da Covid-19. O acordo enumera vários incidentes de falhas no sistema de energia como justificativa, argumentando que as medidas irão manter o fornecimento de energia elétrica o mais seguro e confiável possível, no contexto da atual emergência sanitária.

Isso não acontece no vácuo. Reúne uma série de ações da atual gestão para fortalecer a CFE. O governo está tentando fazer política energética por meio de instituições estatais e não por meio das instituições criadas para esse fim

O objetivo final desses percentuais é ter melhor qualidade do ar, o que levará a uma melhor qualidade de vida e saúde. Mas os defensores da energia limpa dizem que a confiabilidade da energia renovável não é um problema.

Paul Sánchez é diretor da Ombudsman Energía México, uma ONG dedicada à proteção de direitos no setor de energia. Ele diz que o papel do Cenace é regular o fornecimento de energia em tempo real: “Se realmente for preciso fazer isso, então o Cenace o faz”.

O governo está tentando fazer política energética por meio de instituições estatais e não por meio das instituições criadas para esse fim.

A preocupação de que um excedente de energia possa causar a falha do sistema, diz Sánchez, sugere uma falta de confiança no operador do sistema de energia.

Representantes do setor de energia limpa dizem que a política usa a pandemia como desculpa para desacelerar o crescimento do setor.

“Não é uma ação isolada”, diz Luis Romero, um especialista em energia renovável que já trabalhou na Ren Mx, uma iniciativa do World Wildlife Fund dedicada a expandir a demanda por energia renovável no México. “Isso não acontece no vácuo. Reúne uma série de ações da atual gestão para fortalecer a CFE. O governo está tentando fazer política energética por meio de instituições estatais e não por meio das instituições criadas para esse fim.

35%

a parcela prevista de energia renovável no México até 2024

A Reforma Energética de 2014 do México eliminou o monopólio que o estado mexicano tinha anteriormente na produção, distribuição e comercialização de energia. Abriu as portas para o investimento privado no setor de energia, incluindo energias renováveis. A Lei de Transição de Energia de 2015 estabeleceu políticas para a transição do país para energia limpa. Ela prevê 35% do uso de energia limpa pela indústria mexicana até 2024.

Apesar desses compromissos, o presidente Andrés Manuel López Obrador está pressionando pela revitalização da Pemex, a empresa estatal de petróleo, e aumentando a produção de petróleo do país. O secretário de Energia do México, Rocío Nahle, foi recentemente criticado por ser o único representante que se recusou a assinar um acordo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) para reduzir a produção mundial de petróleo em 10 milhões de barris por dia. .

Sánchez diz que as directivas recentes enquadram-se num padrão de políticas que estigmatizam as energias renováveis: “A lógica não é de fiabilidade, mas de proteccionismo do monopólio estatal ... Baseia-se na ideia de que as energias renováveis ​​são mais problemáticas do que uma solução e, como tal, deve ser controlada de forma mais agressiva."

O acordo também coloca em risco a conformidade do México com os tratados ambientais internacionais, incluindo o Acordo de Paris.

“Temos compromissos para um determinado percentual de geração limpa e não vamos atingir esses percentuais. Estamos sob muita pressão e essas políticas nos deixam de mãos atadas ”, afirma Romero. “O objetivo final desses percentuais é ter melhor qualidade do ar, o que levará a uma melhor qualidade de vida e saúde”.

Alguns defensores, no entanto, argumentam que o estado mexicano precisa de mais do que apenas energia limpa para enfrentar seus problemas ambientais e que o desenvolvimento de usinas de energia renovável trouxe consigo suas próprias preocupações com os direitos humanos.

Quando falamos em transição justa, não estamos falando de uma questão tecnológica, como fazendas eólicas ou painéis solares. O objetivo deve ser gerar bem-estar

No sul do México, as empresas que desenvolvem parques eólicos foram acusadas de violar o direito das comunidades rurais e indígenas de consulta livre, prévia e informada sobre projetos que afetam suas terras.

Em resposta às diretrizes, Onergia, uma ONG com sede em Puebla, centro do México, escreveu em um comunicado: “Não basta que a energia seja 'verde', pois seu modelo requer grandes áreas de território com milhões de painéis ou turbinas eólicas que não são ecologicamente corretas, pois deslocam comunidades e acabam com as economias locais de produção de alimentos e conservação de água. "

A priorização de grandes corporações de energia, sejam elas limpas ou sujas, Onergia argumenta, não aborda as questões necessárias para uma transição justa para a energia limpa.

“Quando falamos em transição justa, não estamos falando de uma questão tecnológica, como fazendas eólicas ou painéis solares”, diz Aguilar. “O objetivo deve ser gerar bem-estar”.