Chile abre as portas para nova constituição verde

Debates sobre a nova constituição chilena, cujos trabalhos se iniciaram a partir do plebiscito de outubro, vão desde a gestão da água até uma completa reorganização territorial

Compartilhar

Chile plebiscite new constitution celebration

Mulher comemora vitória da campanha por uma nova constituição para o Chile (imagem: Antonia Colodro)

Freirina é uma cidade de apenas 7 mil habitantes localizada no norte do Chile, à beira imponente Deserto do Atacama. Em 2012, uma catástrofe sanitária ali, causada pelo abandono de 450 mil porcos, levou a um dos conflitos ambientais mais memoráveis do país, que resultou no estabelecimento do primeiro padrão de poluição por odores. 

No domingo passado, 25 de outubro, o distrito voltou a entrar para a história. Com 91,3% dos votos pela "Aprovação", os habitantes da Freirina foram os mais eloquentes do plebiscito histórico no qual o Chile decidiu enterrar, para sempre, a constituição que o ditador Augusto Pinochet instalara há quatro décadas. 

78%

dos chilenos votaram para substituir a constituição da era Pinochet do país em 25 de outubro

Freirina é parte da chamada "zona de sacrifício", como os chilenos se referem aos distritos marcados por conflitos ambientais. E, apesar de o voto pela nova constituição ter varrido 78% das preferências em nível nacional, foram estas as regiões que votaram mais pesadamente pelo fim do texto aprovado na ditadura Pinochet. Nove dos dez distritos onde a opção de mudança constitucional ultrapassou 89% têm conflitos em vigor. 

São distritos como Tocopilla, Huasco e Mejillone, sufocadas pelas usinas a carvão; ou María Elena e Diego de Almagro, que sofrem com problemas hídricos causados pela atividade mineradora; além de Petorca, onde a agroindústria do abacate gera uma "mega seca". 

O contraste está no "Rechaço", que ganhou apenas cinco distritos, além do setor oriental de Santiago, que concentra os habitantes de maior renda do país. De acordo com o Banco de Dados Mundial de Desigualdade, o Chile é um dos países mais desiguais do mundo, onde os 10% com níveis de renda mais elevados concentram 60% da renda total do país. 

Há um ano, em outubro de 2019, um grupo de estudantes do ensino médio começou um protesto contra o aumento dos preços das passagens de metrô, que se transformou em uma chamada "explosão social" sob slogans como "não são 30 pesos, são 30 anos" e "até que a dignidade se torne um hábito". O presidente Sebastián Piñera, um empresário de centro-direita que está governando o país pela segunda vez, decidiu suspender as cúpulas da APEC e COP25 que estavam programadas para acontecer em Santiago, devido à atestada incapacidade de garantir a ordem social.

O plebiscito constitucional foi a solução institucional que os partidos políticos encontraram para superar a crise. Em abril do ano que vem, 155 representantes "constituintes" serão eleitos em paridade (50% homens e 50% mulheres) e terão um ano para redigir a nova constituição, que deverá ser ratificada em outro plebiscito pela população, em 2022.

"Este processo abre uma porta sem precedentes que passa a cada 40-50 anos. É uma questão de reestruturação e de repensar o que é o contrato social entre nós seres humanos e como imaginamos e vemos nosso território. Os princípios e direitos consagrados na constituição serão fundamentais para as próximas décadas", diz Violeta Rabi, socióloga da Universidade do Chile.

Rabi concorda com outros especialistas consultados pelo Diálogo Chino: o processo constituinte é uma oportunidade histórica no contexto da crise climática - e em meio a uma pandemia - de repensar as relações com a natureza.

Uma Constituição verde

"Isso pode ser um problema em tempos de seca". A frase foi dita pelo próprio General Augusto Pinochet, quando o grupo de homens que ele encarregou de redigir a então nova constituição apresentou suas propostas sobre gestão de água. O diálogo está registrado no livro "O Negócio da Água", dos jornalistas Tania Tamayo e Alejandra Carmona, onde elas explicam como o próprio ditador teve que ser convencido a apoiar um regime que garante, em nível constitucional, o direito privado à água, a fim de incentivar os investimentos no país.

A água atravessa quase todos os conflitos socioambientais do Chile. Desde as geleiras nas montanhas ameaçadas pela atividade mineradora, os abacateiros da zona central, as monoculturas de pinheiros e eucaliptos no território mapuche, até os rios que alimentam as usinas hidrelétricas.

Ezio Costa, diretor executivo da ONG FIMA, sustenta que a constituição chilena é uma raridade no mundo por dar a máxima proteção legal ao direito de negociar água. Sua opção é que a nova constituição consagre o direito humano à água e o reconheça como um bem comum, mas como ele deve ser administrado é um assunto a ser discutido posteriormente. 

"A constituição não resolve tudo e é bom que seja assim, com princípios gerais que depois são trabalhados em leis. Por exemplo, se os bens comuns são reconhecidos na constituição, então a lei da pesca, o código da água, a lei florestal terá que refletir essa ideia e ser reformada, e isso levará tempo", diz ele

Para Costa, que tem trabalhado nas ideias da constituição ecológica, é importante entender que toda constituição é um cruzamento entre direitos e princípios, e o que a constituição de 1980 faz é resolvê-los em favor do setor privado. 

"Em uma nova constituição, quando houver uma disputa entre liberdade econômica e proteção ambiental, esperamos que ambas tenham a mesma relevância em teoria e que depois seja uma aplicação prática de como uma ou outra é mais importante. E nisso, para nós, a proteção ambiental certamente tem que vir em primeiro lugar", acrescenta Costa. 

O direito humano à água, à justiça intergeracional, aos direitos da natureza e ao acesso à informação, à participação justiça, juntamente com um compromisso de adaptação às mudanças climáticas, são algumas das exigências que os ambientalistas do Chile têm sobre a constituição. Costa acredita que o cerne do debate estará na abordagem dos "limites ambientais à propriedade" e na distribuição do poder nos territórios, um ponto-chave para que os novos direitos consagrados não sejam "letra morta".

Couple celebrates vote for Chile's new constitution
Um casal comemora na capital chilena, Santiago (image: Antonia Colodro)

Manuela Royo, advogada, doutora em direito e candidata à assembleia constituinte do Movimento em Defesa da Água, Terra e Meio Ambiente (Modatima), acredita que os mecanismos para a proteção dos direitos devem ser "gerados". Que, por exemplo, a existência de organizações especializadas como um Escritório de Defesa Ambiental seja configurado para permitir que indivíduos e comunidades possam exercer esses direitos". 

Royo compara os próximos passos que o Chile terá que dar com o que aconteceu com as reformas constitucionais no Equador e na Bolívia. "Eles se concentraram na declaração dos direitos da natureza, não na orgânica, em como  participação das comunidades é estruturada na tomada de decisões e na distribuição do poder", disse. Por este motivo, ele defende que os princípios de prevenção devem ser incluídos no nível constitucional para proteger a natureza em face de projetos de investimento. 

Procuram-se constituintes

Em 2013, Michelle Bachelet, hoje no Escritório do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, foi eleita presidente do Chile, prometendo uma nova constituição. Foram realizadas mais de 9 mil reuniões locais, nas prefeituras provinciais e regionais, e mais de 90 mil consultas individuais. De acordo com a ata do processo, "respeito à natureza e ao meio ambiente" foi um dos cinco direitos priorizados pelos participantes para uma nova constituição, juntamente com o direito a saúde, educação, moradia digna e igualdade perante a lei. 

Em novembro de 2019, no auge da explosão social, a Universidade Alberto Hurtado realizou uma pesquisa sobre as percepções e atitudes dos chilenos em relação à mudança climática. A pesquisa revelou que 71,8% dos entrevistados eram a favor da proibição da operação de indústrias poluidoras para enfrentar a crise ambiental.  A grande maioria também tinha a percepção de que nem o governo (73,4%), nem as empresas (74%), nem o Congresso (81%) estão tomando medidas para resolver a crise climática.

Para Ricardo Greene, sociólogo e urbanista responsável pelo estudo, a posição dos chilenos sobre a exploração dos recursos naturais e o extrativismo é clara. Se isso for transferido para a assembleia constituinte, "dependerá claramente de quem está em conformidade com ela. Se for uma convenção representativa da nação, essas questões serão incorporadas à Constituição".

155

membros farão parte da nova assembleia constituinte do Chile

O Congresso chileno, que continuará a funcionar em paralelo com a assembleia constituinte, está trabalhando em duas leis que podem ser fundamentais para a composição do grupo eleito. São regras sobre exigências para que candidatos independentes de partidos possam competir e sobre a possibilidade de formar coligações eleitorais. A outra é sobre os assentos reservados aos povos indígenas e se eles estarão entre os 155 constituintes ou se receberão assentos extras. Ambas as leis, se aprovadas, poderiam dar à constituinte uma maior pluralidade.

Manuela Royo, por exemplo, será uma candidata independente para Modatima. Embora ela tenha a cota da coalizão esquerdista Frente Amplio, eles estão esperando que os partidos da oposição decidam se e em quantas listas eles irão concorrer juntos nas eleições.

Os votos no constituinte serão de 2/3. Ou seja, qualquer princípio ou direito que garanta a nova constituição deve ser aprovado por 104 dos 155 membros. Esta foi uma medida que o governo nacional e os partidos de direita defenderam em extensas negociações políticas, o que deu origem ao processo atual. 

Para Violeta Rabi, todos os possíveis tropeços na discussão dos constituintes dependem dos resultados da votação de abril sobre estes temas.

"Se a composição da assembleia vai reproduzir os poderes que estão no congresso hoje, ou se uma unidade programática e de candidatos pode ser gerada. Há poderes fáticos que hoje se beneficiam do sistema legal que temos e eles tentarão manter esses privilégios, e a regra dos 2/3 implica a busca de um amplo consenso", disse ela.