Empresa chinesa anuncia planta de reciclagem de bateria no México

A empresa chinesa está desenvolvendo fortes elos na cadeia de abastecimento de lítio e veículos elétricos na América Latina

Compartilhar

Tesla charging station Mexico recycle lithium batteries

Uma estação de carregamento Tesla no México, onde a Ganfeng Lithium da China irá reciclar baterias usadas de veículos elétricos (imagem: Alamy)

O anúncio da chinesa Ganfeng Lithium de que construirá uma planta de reciclagem de bateria de íon de lítio no México fortaleceu a importância do país no mercado global do minério. A empresa é uma das maiores produtoras mundiais de lítio, além de ser fornecedora da Tesla, que se tornou uma das maiores forças corporativas dos Estados Unidos ao liderar o mercado de veículos elétricos.

Wang Xiaoshen, CEO da Ganfeng Lithium, disse que a fábrica abastecerá o crescente mercado de veículos elétricos (EV) dos Estados Unidos e reciclará baterias de carros Tesla, bem como de ônibus elétricos fabricados na China que são usados ​​em toda a América Latina.

“Os ônibus elétricos chineses são exportados para países da América do Sul há anos e agora está na hora de reciclar”, disse Wang ao Financial Times. “E a Tesla está vendendo no México desde 2012, então, nos próximos dois anos, elas [as baterias] estarão prontos para serem aposentados.”

244

milhões de toneladas de lítio foram descobertas por Bacanora no estado de Sonora

Junto com a mineradora britânica Bacanora, a Ganfeng é sócia da primeira mina de lítio do México, no estado de Sonora, no norte, que conta com uma das maiores jazidas do mundo. Juntas, a mina Sonora e a planta de reciclagem de baterias se tornam um importante elo na cadeia regional de lítio. Elas também se aproximam do ideal de 'ciclos fechados' de produção, em que a energia gasta na fabricação é devolvida ao processo de produção por meio da reciclagem, reduzindo as emissões em geral.

Como um estudo de 2016 realizado por pesquisadores da Australian National University descobriu, a reciclagem de baterias de íon de lítio – que geralmente duram dois a três anos ou 300 a 500 ciclos de carga (o que ocorrer primeiro) – “reduz o consumo de energia, reduz as emissões de gases de efeito estufa e os resultados em consideráveis ​​economias de recursos naturais em comparação com o aterro. ”

Um estudo de 2019 publicado na revista Nature observa que "a reciclagem de LIB (bateria de íon de lítio, na sigla em inglês) no fim da vida útil pode fornecer benefícios econômicos importantes, evitando a necessidade de extração de novos minerais e fornecendo resiliência contra links vulneráveis ​​e riscos de fornecimento na cadeia de abastecimento LIB ”. A reciclagem da bateria de lítio é, portanto, uma parte crítica do afastamento global da dependência de combustíveis fósseis.

Uma das autoras do estudo da Nature, Emma Kendrick,  pesquisadora da Universidade de Birmingham, explicou que a reciclagem das LIB significa “levar as baterias de volta aos seus materiais e peças constituintes”.

Kendrick disse a Diálogo Chino que certos componentes são recuperados pela trituração da célula da bateria e aplicação de calor para separar materiais, como em processos pirometalúrgicos, como refino e fundição. Outros materiais precisam de processamento menos intensivo para recuperação, como classificação física. Os componentes recuperados incluem grafite, lítio, cobalto, níquel, alumínio, cobre e manganês, que podem ser usados ​​para diversos fins. O lítio e o manganês podem ser usados ​​no cimento e o cobalto na alimentação animal e no aço inoxidável.

Você sabia que?…

As baterias de lítio geralmente duram de dois a três anos ou 300 a 500 ciclos de carga

As baterias também podem ser reutilizadas em sua totalidade, disse Kendrick: “[Se] as baterias ainda tiverem alguma vida útil associada a elas, elas podem ter usos menos intensivos, como no armazenamento de energia fixo, em que são lentamente carregadas e descarregadas”.

O anúncio de Ganfeng da usina de reciclagem de baterias, além do projeto de mineração, foi antecipado por políticos mexicanos no início do ano. O então ministro de Meio Ambiente, Victor Toledo, disse, por exemplo, que o lítio é como "o novo petróleo". Para um país cuja economia foi historicamente financiada pelo petróleo, o México agora tem a chance de se juntar à transição energética global e se afastar dos combustíveis fósseis.

Guillermo Tiburcio Munive, engenheiro químico da Universidade de Sonora, disse ao Diálogo Chino que espera que a usina de reciclagem de baterias resulte em “maior conscientização da sociedade sobre a reciclagem [de energia]” no estado. Ele também disse acreditar que isso vai contribuir para “a criação de empregos diretos e indiretos” e “o desenvolvimento da indústria, pois pode ser atraente para os fabricantes de baterias estarem próximos de seu fornecedor”.

Uma luz em terras turbulentas?

Há grandes esperanças de que a usina de reciclagem de Ganfeng trará oportunidades de emprego e riqueza que podem ser reinvestidos em infraestrutura social, muito necessária em Sonora. Com o objetivo de maximizar essas oportunidades, alguns defendem uma nova entidade estatal para regular a mineração de lítio e reter os lucros no México. Alejandro Armenta, senador do partido governista Morena e chefe da comissão de finanças do Senado, está liderando o esforço. Em uma recente sessão plenária do Senado disse que “[não] podemos permitir que o lítio permaneça nas mãos de estrangeiros”.

Armenta atualmente tem uma proposta no Senado que visa ampliar o Artigo 27 da Constituição do México, que diz respeito à utilidade pública da terra e seus recursos. Na proposta, que traça planos para uma empresa estatal de lítio chamada ‘Litiomex’, Armenta sugere que a propriedade estatal das reservas de lítio na Bolívia permitiu que a proteção ambiental fosse priorizada. No México, tal entidade também maximizaria a transparência e reduziria a corrupção, afirma ele.

Beatriz Olivar, pesquisadora em engenharia da Universidade Nacional Autônoma do México, é cética quanto à proteção ambiental na nascente indústria mexicana de lítio, independentemente de ser administrada por uma empresa pública ou privada. "O meio ambiente é sempre relegado, e as vozes afetadas não são ouvidas ”, disse ela.

Preocupações ambientais e sociais

O projeto Bacanora em Sonora será uma mina a céu aberto, “uma das técnicas mais destrutivas que existem, porque explosivos são usados ​​para abrir espaço para fossas profundas que impactam a biodiversidade, e então substâncias tóxicas como cianeto ou arsênico são utilizadas”, Olvera disse ao OutletMinero em julho.

Da mesma forma, há poucos motivos para presumir que a propriedade estatal possa garantir maior segurança para as operações de mineração. Os projetos de mineração estrangeiros no México costumam contar com bloqueios de comunidades locais que discordam da presença das minas. As minas também são alvos de poderosos grupos do crime organizado que praticam extorsão e roubo de minerais e metais preciosos.

Embora o governo mexicano tenha introduzido recentemente uma força especial de segurança encarregada de aumentar a proteção do setor de mineração, a corrupção e a eficácia das autoridades estatais continuam sendo um problema. Como um relatório recente da Human Rights Watch frisou: “As autoridades mexicanas resolvem apenas cerca de 1% dos crimes, incluindo abusos policiais”, enquanto “muitos policiais recebem ameaças e recompensas de grupos do crime organizado”.

Projetos como o de Sonora infelizmente vão ser como um experimento, uma cobaia, que vai nos mostrar um pouco de tudo que pode acontecer

A iniciativa de Armento aborda a questão da governança da cadeia de abastecimento, à medida que a China solidifica seu controle sobre a cadeia de abastecimento global de veículos elétricos. Um relatório recente sobre o assunto feito por analistas de mercado de uma firma com sede em Londres, a Benchmark Mineral Intelligence, pontua que, além dos projetos de mineração de lítio da China, suas empresas estão minerando e produzindo outros ‘elos químicos’ na cadeia EV, como o manganês.

Wang Xiaoshen, CEO da Ganfeng, argumentou contra a nacionalização do lítio e disse que o caso boliviano provou ser contraproducente. “Os bolivianos não permitem que empresas estrangeiras possuam propriedades de mineração”, disse Xiaoshen ao Financial Times. “E esse é um grande obstáculo para atrair investimentos.”

Riscos dos trabalhadores na usina de reciclagem

Quem fiscaliza o processo de reciclagem das baterias de lítio também deve levar em conta os riscos para os operários nos processos de extração, argumenta Kendrick. Com um processo intensivo que também produz emissões nocivas, as usinas de reciclagem devem ser equipadas para maximizar a extração do metal e filtrar toxinas que podem causar doenças graves aos trabalhadores.

Andrés Ángel, especialista em mineração da Associação Interamericana para a Defesa do Meio Ambiente, disse em uma entrevista recente ao canal espanhol EFE que há muitas incógnitas em relação aos primeiros passos do México rumo a uma indústria de lítio.

“Projetos como o de Sonora infelizmente vão ser como um experimento, uma cobaia, que vai nos mostrar um pouco de tudo que pode acontecer”, disse.